Quando Iniciar um Processo de Recuperação Judicial?

No Brasil, passados mais de dez anos de experimento da nova Lei de Recuperação de Empresas, temos apenas uma certeza: não há receita pronta para esse tipo de processo. Cada empresa possui as suas peculiaridades e está inserida em mercados distintos. Diversas variáveis internas e externas e o momento da empresa são fatores que influenciam muito a tomada de decisão e o rumo a seguir. Certo é que sem recursos e apoio dos credores, o processo de recuperação já nasce sob risco.

Frente a essa realidade e aos poucos casos de sucesso de empresas que realmente venceram a etapa da crise, através do processo de Recuperação Judicial, começo a concluir que a empresa deve se articular e tomar ações preparatórias de seis meses a um ano antes da RJ propriamente dita. Seria a recuperação da recuperação. Diálogo com credores e arrolamento de dívida, busca de recursos (caso a estrutura financeira da empresa ainda permita), venda de ativos de forma transparente e legítima, entendimento com fornecedores estratégicos e o mais importante: preservação total do caixa, pois os momentos serão difíceis.

Fato é que a decisão para o ingresso da Recuperação Judicial sempre é postergada ao extremo, por questões de imagem da empresa, pelo psicológico do dono e naturalmente por questões de impacto comercial e financeiro, em razão do mar de dúvidas que surgem junto ao mercado sobre a real capacidade de superação da crise. O empresário toma a decisão pela Recuperação Judicial, no calor da dificuldade, sem preparo e tempo para apresentar um plano consistente em um curto espaço de tempo. Pior! Muitos credores ficam sabendo da moratória legal pela imprensa ou terceiros e sentem-se traídos; afinal, uma semana antes o discurso era otimista e qualquer medida extrema era considerada lunática e rechaçada.

Circulam pesquisas e estudos inconclusivos de que somente 1% das empresas que pedem o benefício da Recuperação Judicial conseguem efetivamente voltar a operar. Independente da profundidade e dos critérios usados por essas pesquisas, os números nos levam a reflexão, pela falta de resultados práticos. Quando efetivamente devemos iniciar um processo de recuperação? Certamente é bem antes de entrar com pedido à Justica e aguardar o falso alívio que a decisão judicial concede ao suspender as execuções judiciais por 180 dias.

Fabricio Scalzilli
Sócio da Nello Investimentos

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
NENHUM COMENTÁRIO

ESCREVA UM COMENTÁRIO