Operações de Fusões e Aquisições estão mais Complexas

O trabalho dos advisors e das consultorias financeiras tem sido cada vez mais demandado em operações de fusões e aquisições de empresas. Empresários que se aventuram em conduzir processos desta natureza sozinhos estão cada vez mais expostos a riscos intangíveis ou imensuráveis que até pouco tempo atrás não existiam.

Na pior das hipóteses alguns milhões de reais (ou dólares) podem ficar na mesa, seja num avaliação do negócio mal dimensionada, seja por passivos ou riscos ocultos ou ainda frente a projeções financeiras com premissas equivocadas. Poucas consultorias tem avaliado o impacto real das tecnologias (big data, internet das coisas, inteligências artificial, entre outras) em processos de compra e venda de empresas específicas.

As tecnologias tem impactado diversos setores como a agroindústria, o setor químico e de energia, saúde, bens de consumo e a indústria de bens de capital, além de todo setor automotivo. A lista é extensa. A Nanotecnologia, por exemplo, tem transformado a indústria de cosméticos.

A biotecnologia atingiu em cheio a produção de alimentos. E em todos os casos a transformação não está somente na criação de novos produtos ou serviços, mas na mudança de processos e arranjos produtivos, com menos desperdício e mais assertividade, mais robotização e menos mão de obra. Todas estas variáveis devem ser avaliadas em um processo de aquisição de uma empresa para se formar o preço do negócio.

O dimensionamento com gastos e investimentos em tecnologia, registro de patentes e busca competitiva por mão de obra capacitada que irá dar o suporte a empresa no futuro é fundamental. A análise e o cálculo de sinergias pelo comprador naturalmente estão cada vez mais complexos.

A estrutura em rede da inteligência artificial (baseada em nuvem) trouxe um volume monstruoso de dados e informações a serem absorvidos e interpretados por pessoas cada vez mais capacitadas para isso. Será que os colaboradores da empresa adquirida estão preparadas para isso? A análise crítica, a inteligência emocional, a visão estratégica e a capacidade de tomar decisões complexas ainda são capacidades humanas de grande valor para maioria das companhias. Entender e avaliar estes fatores em sua essência é a base inicial para se fazer um negócio no mercado de fusões e aquisições com menor risco e com mais chances de sucesso.

Editorial Nello Investimentos

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
POST TAGS:
NENHUM COMENTÁRIO

ESCREVA UM COMENTÁRIO