Mondelez pode ir às compras para crescer rápido

A Mondelez International, dona de marcas como Lacta, Oreo, Club Social, Tang e Trident, estuda entrar em novas categorias de alimentos, bem como adquirir empresas no Brasil e no mundo, como parte dos esforços para acelerar o ritmo de crescimento global. O plano inclui o reforço de algumas marcas, com ampliação de linhas de produtos e vendas on-line.

A Mondelez foi criada em 2012, como resultado da cisão da Kraft Foods. A empresa ficou com as marcas mais conhecidas internacionalmente, enquanto a Kraft concentrou-se nos Estados Unidos. Mais tarde, em 2015, a Kraft fundiu-se com a Heinz, dando origem à Kraft Heinz. Após seis anos de operação, a Mondelez International considera que adquiriu musculatura suficiente para definir um plano de aceleração do ritmo de crescimento global, disse Grazielle Parenti, diretora de assuntos corporativos e governamentais da Mondelez Brasil.

“O Brasil é hoje a quarta maior operação da Mondelez no mundo. A expectativa é que o país seja uma parte relevante no seu crescimento global”, afirmou Grazielle. No ano passado, o Brasil respondeu por 6,4% da receita global da Mondelez, que foi de US$ 25,9 bilhões.

No mercado brasileiro, a Mondelez lidera a categoria de chocolates e confeitos, com 30,7% de participação, segundo a Euromonitor International. Em salgadinhos, no entanto, é a quinta colocada, com 6,1% de fatia. Em biscoitos doces, é a quarta colocada, com 7% do mercado.

De acordo com a executiva, não há aquisições para serem anunciadas no momento, mas a companhia analisa opções no país e no exterior. O mais importante, no entanto, é que a Mondelez vai dar mais poder às subsidiárias para tomar as decisões para acelerar a expansão em cada mercado. No Brasil, Alejandro Lorenzo, presidente da Mondelez International para América Latina, anunciou a novidade aos 9 mil funcionários na quarta-feira.

Parte da expansão, disse Grazielle, se dará com a entrada da Mondelez em novas categorias. Ela citou como exemplos a criação de linhas de biscoitos feitos com chocolates da Lacta e o lançamento, realizado neste ano, de sorvetes com a marca Oreo, desenvolvido pela Froneri – joint venture entre a Nestlé e a britânica R&R. “A intenção é desenvolver produtos e entrar em novas categorias por meio de parcerias”, disse Grazielle.

A executiva acrescentou que a Mondelez International pretende reforçar principalmente as vendas de marcas locais no Brasil, como Lacta, Club Social e Tang. Esse reforço será feito com novos produtos e ampliação de linhas existentes com novos formatos.

A Mondelez pretende ainda reforçar a atuação no comércio eletrônico. No país, a previsão é que o comércio eletrônico da empresa crescerá 100% em 2018 e dobrará de tamanho em 2019. A Mondelez prevê ampliar as vendas em conjunto com redes varejistas e “marketplaces” (shoppings virtuais), como Submarino.com e Americanas.com. A companhia já possui no país loja da Lacta, voltada ao consumidor, e da Mondelez, para o pequeno varejo.

Globalmente, a Mondelez fixou como metas um aumento na receita líquida orgânica (excluindo a variação cambial) de, no mínimo, 3% ao ano; crescimento do lucro ajustado por ação de um dígito alto em moeda constante; fluxo de caixa livre de US$ 3 bilhões; e crescimento de dividendos maior que o crescimento do lucro por ação.

No primeiro semestre de 2018, a Mondelez International registrou avanço de 3,9% na receita líquida, para US$ 12,88 bilhões. Na América Latina, a receita caiu 5,3%, para US$ 1,67 bilhão. O lucro líquido global cresceu 11,8%, para US$ 1,26 bilhão. O fluxo de caixa livre somou US$ 1,18 bilhão, ante US$ 262 milhões um ano antes.

A meta da Mondelez é ser líder global nas categorias de lanches doces e salgados. No mundo, a companhia lidera a área de biscoitos doces, com 15,5% de participação. Em salgadinhos é a terceira colocada, com 3,2%; e em chocolates e doces é a segunda, com 11,7%, segundo a Euromonitor. (Fonte: Valor Econômico)

Fonte: portalamis.org.br

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
NENHUM COMENTÁRIO

ESCREVA UM COMENTÁRIO