Fusões e Aquisições e o Crescimento do Negócio

No primeiro semestre de 2017, segundo levantamento da PWC, foram anunciadas 300 transações de fusões e aquisições (M&A) no Brasil, 5% acima do esperado.

Com o cenário de crise, no entanto, por que o mercado de fusões de aquisições não está estagnado, seguindo a lógica de outros setores da nossa economia?

A resposta pode estar em alguns fatores, a iniciar pelo próprio momento do nosso país: taxa básica de juros, a Selic, em constante queda, fechará 2017 a menos de 9% e a inflação promete fechar o ano em 4,19%, a mais baixa desde fevereiro de 2000.

Dentro deste cenário, podemos afirmar que ganhar dinheiro no mercado financeiro, sem exposição a riscos está mais difícil, o que torna mais atrativo investir em operações na economia real.

Com dinheiro na mão e fugindo de aplicações bancárias, empresários tem observado atentamente oportunidades de investimento em empresas saudáveis e com potencial de crescimento.

Até mesmo empresas em crise, com injeção de recursos e uma administração eficiente, podem se transformar em negócios atrativos, principalmente na mão de novos donos. A velha máxima de que a crise apresenta oportunidades.

Para dar este passo, é importante que o empresário entenda exatamente o mercado em que sua empresa está inserida, traçando objetivos claros de curto, médio e longo prazo, para fins de crescimento e diferenciação. Modelos de negócio estão sendo desconstruídos do dia para noite, em um mercado cada vez mais integrado e complexo. Ninguém compra uma empresa sem conseguir enxergar o retorno de seu investimento e entender os riscos mínimos a qual estará sujeito, caso avance com a aquisição.

Lembre-se que dentro de um processo de M&A, com venda parcial, a empresa deverá demonstrar ao seu futuro sócio onde ela pode e quer chegar, com visão estratégica, objetivos claros e principalmente como fará para atingi-los. Transparência e objetividade é a alma do negócio!

Neste cenário, é fundamental termos uma tese de investimento atrativa antes de ir a mercado, demonstrando a oportunidade ao investidor e as possibilidades de ganho no negócio. Esta construção é feita sempre “a quatro mãos” (empresa e advisor), pois ninguém conhece mais o negócio do que o próprio empresário. Cabe a consultoria em fusões e aquisições auxiliar na construção da tese de investimento e se aprofundar no mercado em questão, entendendo os riscos e oportunidades de se levar o negócio para venda naquele momento histórico.

Não é, por fim, uma decisão fácil, frente aos obstáculos e riscos que esse processo apresenta, mas pode ser a forma mais adequada para a empresa que quer crescer, ganhar mercado e se posicionar frente aos concorrentes, e que organicamente não consegue atingir estes objetivos.

Manuela Vilar

Executiva da Nello Investimentos

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
NENHUM COMENTÁRIO

ESCREVA UM COMENTÁRIO