Fusões & Aquisições – O Fechamento do Negócio e o Processo de Due Diligence

O título desse artigo já levanta uma questão desafiadora:

Qual é o momento mais delicado numa operação de venda?

A negociação que prescinde ao fechamento da venda ou o processo de due diligence? Muitos podem pensar que é o momento da negociação, onde a dinâmica do processo gera desgastes, além da pressão fisica e psicológica até que comprador e vendedor se entendam superando as diferenças, os fatores externos e fazendo tudo isso na maior descrição. É uma arte.

Mas é após o fechamento do preço que o processo de venda da empresa realmente toma forma e onde a maioria dos negócios cai por terra. No jargão da área, a empresa acaba não resistindo há uma boa due diligence.

A due diligence é um processo investigativo que visa realizar uma análise profunda nos números e na estrutura da empresa, objetivando dar segurança ao comprador na sua tomada de decisão. Ainda há profissionais que acreditam que a due diligence ou auditoria para fins de venda, visa analisar apenas os dados financeiros.  

Mesmo sendo este o principal indicador, diversas outras questões são levantadas para que se obtenha uma visão completa da operação e dos riscos inerentes a corporação. Como exemplo, deve ser estudada toda a estrutura societária e a possível relação de grupo econômico com outras empresas; todo o grupo de passivos reais e ocultos, segmentados por classes (trabalhistas e previdenciários, fiscais, credores com garantias, quirografários, entre outros); riscos ambientais, licenças, alvarás e mercado regulatório que possa envolver a operação; grau de informalidade, se existente que deva ser corrigido; marcas e softwares registrados e válidos; ações judiciais em andamento, dissidios coletivos, parque tecnológico, política de compliance e tantas outras variáveis.

Somente com esse cenário claro o comprador seguirá adiante, definindo o tamanho do risco que está disposto a assumir e expressando em números o valor da contingência que será negociada e retida, frente ao preço oferecido. Neste contexto, os memorandos de entendimentos e os demais instrumentos contratuais de venda devem ser objetivos e transparentes, sempre prevendo o máximo de variáveis possíveis para que não haja discussão ou descontentamento entre as partes no futuro. Nessas horas vale apenas o que está escrito e expresso no contrato!

Superando essa fase, o anúncio ao mercado e ao grupo de colaboradores deve ser preparado com cuidado, levando-se em conta as expectativas internas e do mercado. Transparência e clareza são fundamentais. Por fim uma boa transição prescinde de pessoas qualificadas e interessadas para fazer o processo evoluir, construindo a união das culturas e resolvendo os problemas e dúvidas, que no início serão quase que diários. Portanto, repense o estouro da champgane no momento da assinatura do contrato de venda. Aguarde a conclusão da due diligence.

 

Fabricio Nedel Scalzilli

Sócio da Nello Investimentos

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
NENHUM COMENTÁRIO

ESCREVA UM COMENTÁRIO