Crise. Um choque de realidade

No cenário de crise empresarial nos deparamos com diversas teorias e soluções milagrosas para superação do estado de dificuldade das corporações. Dentre diversas ações e medidas que devem ser tomadas duas são fundamentais: a real conscientização do empresário e sua rápida reação às dificuldades e obstáculos que se apresentam. Isso fará a diferença lá na frente.

Financiar a operação e criar caixa, deixando de pagar impostos, com a esperança da vinda de um novo REFIS não é a melhor saída. O empresário nunca mais vai se livrar desse passivo, carregado de juros e multas pesadíssimas. Como consequência, o valor da empresa vai desaparecer.

Se apropriar dos valores devidos ao INSS, rubrica funcionário, pode trazer consequências sérias, inclusive no âmbito penal. O não pagamento dessas obrigações, aliado a outras despesas acessórias e dívidas trabalhistas que são administradas sem solução só aumentam o problema, tornando a dívida da empresa incontrolável. Tudo até então é justificativa para gerar caixa, independente dos custos financeiros e da divida que, a esta altura, já tiraram toda margem e lucratividade do produto ou serviço vendido.

Dar o calote nos bancos e atrasar os fornecedores, sem nenhum plano efetivo de gestão é cortar o oxigênio da empresa. Com crédito mais acessível, o financiamento bancário pode ser um aliado nesse momento, desde que as regras do jogo estejam claras e a empresa demonstre que há um projeto de recuperação em andamento. Ingressar com Processo de Recuperação Judicial, sem um estudo prévio, muitas vezes com a participação de credores estratégicos, pode ser um suicídio para a atividade empresarial. Há empresas que não sobrevivem a assembleia de credores, pois sem o respaldo destes se veem isoladas, sem crédito e matéria-prima para rodar a operação.

A geração de caixa, para pagamento dos compromissos diários – muitos deles atrasados e que só aumentam – não resolve o problema. Isso não é gestão de crise!

Comitês de Gestão de Crise são cada vez mais comuns em empresas em dificuldade. Profissionais internos da corporação e externos, através das consultorias, são direcionados para acompanhar indicadores e tomar ações pensadas e efetivas que tragam reação a atividade produtiva e corte nos custos, fundamentais em momentos como este. A criatividade, aliada a técnica de gestão em crise empresarial, também deve ser incentivada e exercitada.

Ter consciência das dificuldades, estabelecer metas e um plano de ação claro, aliado ao diálogo com os credores das diversas classes, são medidas que poderão acelerar a retomada das atividades sem grandes traumas, ou quem sabe até a venda da empresa por um valor justo.

Fabricio Nedel Scalzilli
Nello Investimentos

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
NENHUM COMENTÁRIO

ESCREVA UM COMENTÁRIO