Bain dá grande tacada no Brasil com Intermédica

A gestora americana de private equity Bain Capital conseguiu multiplicar por quase seis o capital investido na operadora de saúde Intermédica em menos de quatro anos. O feito pode ser um dos maiores retornos de fundos de participação no país e ganhou relevância na carteira global da Bain, conforme dois executivos do setor. É a única empresa brasileira no portfólio da casa.

A Intermédica divulgou nesta quinta o preço fixado para sua oferta subsequente (“follow-on”) primária e secundária, a R$ 26 por ação. Com demanda, a Bain, controladora da empresa por meio do fundo Alkes II, aumentou a venda de seus papéis — de iniciais 75 milhões para 92,4 milhões de ações.

A Bain, que já tinha vendido parte das ações na oferta inicial da empresa, em abril, conseguiu um preço 58% maior pelos papéis oito meses depois. Em abril, a Bain levou R$ 2,38 bilhões.

Na atual oferta, vai levantar R$ 2,4 bilhões. A gestora ainda ficará com 226,12 milhões de ações ordinárias da operadora de saúde — ao preço de fechamento desta quinta, essa participação valia R$ 6,3 bilhões.

A gestora comprou a Intermédica em 2014 por cerca de R$ 2 bilhões. Ou seja, já embolsou mais que o dobro do capital investido e, somado ao que ainda possui em posição da empresa, chega a 5,5 vezes o capital investido.

Com atuação diminuta no país, a Bain passou quase três anos avaliando empresas no Brasil e só fez a aquisição da Intermédica. Outra empresa de seu portfólio, a espanhola de telemarketing Atento tem atuação no país. Quando comprou a operadora de saúde, a Bain escolheu um executivo do mercado de saúde brasileiro para tocar o negócio. Irlau Machado Filho preside a Intermédica desde junho de 2014 e a atuação da Bain se dá pelo conselho de administração, com sócios da gestora baseados em Boston, nos Estados Unidos.

Criada em 1984, a gestora já fez mais de 800 investimentos de private equity no mundo. No ano passado, as empresas do portfólio somaram receita de US$ 93 bilhões, com 728 mil funcionários.

Na nova oferta da Intermédica, a captação primária foi mantida no volume inicial e vai levantar R$ 312 milhões para o caixa da companhia. No total, o giro da oferta será de R$ 2,71 bilhões. Na semana, o papel sofreu uma correção de preço na bolsa, já que havia atingido cotação de R$ 29,80 no início da semana. Nesta quinta, a ação fechou a R$ 27,93.

Conforme comunicado da empresa, os recursos obtidos na oferta primária serão destinados à capitalização e investimento nas subsidiárias operacionais, para reforçar a liquidez do grupo. (MLF)

Fonte: Valor Econômico

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
NENHUM COMENTÁRIO

ESCREVA UM COMENTÁRIO