Atração de Investimentos às Empresas Privadas

Renda fixa menos atrativa. Desconfiança nos rumos do câmbio e na bolsa de valores. Infindável crise política. Com este cenário, ganhar dinheiro no Brasil ficou mais difícil. Mesmo assim a entrada de capital estrangeiro continua forte, em contraste com a desconfiança quanto aos caminhos que o país vai tomar, principalmente em relação a real retomada da economia, com geração de emprego, consumo e investimentos em infraestrutura. Fundos de investimento, investidores setoriais e empresários dos mais variados segmentos tem buscado na economia real a possibilidade de alocar recursos com boa possibilidade de retorno à médio e longo prazo.

Mesmo que as negociações sejam mais longas, operações de fusões e aquisições tem ocorrido em diversos setores, principalmente no middle market. Setores como saúde, educação, tecnologia e agronegócio tem dominado a atenção dos investidores. O setor de óleo e gás também chama a atenção, mas falta uma posição clara do governo para real retomada do setor, com menor dependência de subsídios e da Petrobrás. O empecilho é sempre o mesmo, segundo os investidores. Dinheiro tem; faltam bons projetos! A empresa que busca captar recursos tem de fazer o tema de casa. Demonstrar organização e gestão, dentro de um modelo de negócio atual e competitivo. Buscar recursos não para cobrir ineficiência, mas sim para construir a jornada dos próximos anos, aproveitando vácuos deixados pela crise e preparando-se para um crescimento acentuando quando a tão esperada retomada da economia voltar como um todo.

Projeções financeiras são fundamentais, mas mais do que isto é demonstrar aos investidores os diferenciais competitivos, as barreiras de entrada e a possibilidade da saída lá na frente. O investidor tem de se identificar com o negócio da empresa. Empatia é fundamental. Mas o que ele busca, realmente, é retorno financeiro, seja aproveitando sinergias, incorporando tecnologia e capital humano ou mesmo abrindo novas frentes de negócio. Para investidores mais ousados o distressed market oferece um leque de oportunidades dentro de segmentos que derreteram com a crise.

Há empresas com bons produtos e serviços, diferenciais competitivos, canais estruturados, que estão sendo vendidas por preços bem atrativos em razão do alto endividamento e custos financeiros. Há ainda aquele empresário que cansou, quer entregar a empresa, pagar as contas e ver o Brasil através de uma perspectiva mais ampla: dentro de um avião, rumo ao exterior. Para quem fica, acredita ainda no país e em dias melhores, apostar na economia real, alocando recursos em empresas privadas, com visão estratégia, mão na massa e faro por novas oportunidades pode ganhar muito dinheiro ali na frente.

Fabricio Nedel Scalzilli
Sócio da Nello Investimentos

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
1COMENTÁRIO

ESCREVA UM COMENTÁRIO