A retomada do mercado de M&A e as oportunidades no setor de Autopeças

O início do ano de 2019 já demonstra leve recuperação com investidores confirmando a retomada das operações de M&A, mesmo ainda que de forma cautelosa na expectativa de medidas econômicas a serem anunciadas e no resultado de importantes reformas estruturais, como a da previdência social. Segundo a consultoria internacional PWC, em janeiro de 2019 foram anunciadas 53 transações, apresentando um aumento de 13% em comparação com janeiro de 2018.

Para Mário N. Westrup, executivo de M&A da Nello Investimentos em Santa Catarina, essa é uma movimentação que já podia ser percebida desde o final de 2018, logo após as eleições presidenciais, e os investidores tendem a manter esta tendência baseada nos bons fundamentos que se apresentam para a recuperação da economia brasileira. “Contudo alguns setores merecem mais atenção e destaque pelo timming propício que se apresenta, e um dos setores que mostra oportunidades latentes é o de Autopeças. O setor cresceu 14% em 2018 e prevê um aumento aproximado de 30% nos investimentos para 2019”, afirma o executivo citando dados publicados pelo Sindipeças.

De acordo com o Jornal Valor Econômico já em Outubro de 2018 uma grande movimentação ocorreu no setor de autopeças brasileiro com a aquisição da empresa fabricante de filtros Tecfil pelo fundo de private equity H.I.G. Capital. Segundo o presidente da H.I.G. Brasil, Fernando Marques Oliveira “O segmento de peças para reposição é o que se mostrou mais resiliente durante a crise. Mesmo quando o consumo de carros novos cai, a frota existente continua rodando”.

Os indicadores da indústria brasileira de autopeças demonstram sua relevância. Em 2018 os associados do Sindipeças e da Abipeças registraram faturamento nominal de aproximadamente R$ 86 bilhões, o mercado destinado para reposição representa 40% desse valor, R$ 35 bilhões. Santa Catarina representa o quarto estado com o maior número de empresas do Setor de Autopeças, com 30 empresas, e é o quinto estado com o maior faturamento, movimentando o valor de R$3,4 bilhões.

Para Bruno Saldívia, diretor da Nello Investimentos em Santa Catarina “com a melhora da economia surge um dos componentes mais importantes para a aquisição de automóveis, o crédito, considerando que a tendência é de que os bancos sejam menos restritivos na hora da aprovação de financiamentos para novos ou seminovos. Com o aumento da frota existente, aumenta a demanda por autopeças” afirma o diretor. O diretor também destaca o mercado de exportação, sendo o Brasil um grande fornecedor de autopeças para países da América do Sul.

A tese de uma nova rodada de consolidação do setor passa pelo apetite do mercado em realizar aportes para aquisições e expansões. Apesar de fatores macroeconômicos positivos, o setor possui alguns desafios que precisarão ser enfrentados, como a competitividade que ocorre em âmbito mundial e a estrutura de custos apresentando um aumento na categoria de matérias-primas. A busca por escala no setor pode ser determinante, assim como a ampliação do mix ofertado via verticalização. Aquisições por concorrentes, ou de empresas dentro da cadeia de fornecimento, se mostram estratégicas. Em contrapartida existem também oportunidades, os desafios tecnológicos a serem enfrentados com o apelo dos veículos movidos a energia elétrica abrem espaço para investimentos e inovações.

Mário N. Westrup – Executivo de M&A na Nello Investimentos em Santa Catarina.

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
NENHUM COMENTÁRIO

ESCREVA UM COMENTÁRIO