A reação do Grupo Educacional Estácio

Após o Cade, órgão que analisa a concorrência empresarial no país, vetar a fusão com a Kroton, a Estácio, segunda maior rede educacional do pais, precisou buscar novos rumos. O foco passou a ser a redução de custos administrativos, mudança na forma de atrair e reter clientes e as novas formas para cobrar mensalidades. Comparada com a concorrente Kroton, a Estácio gasta o dobro com despesas de pessoal em relação a receita – são 40%. Essa anomalia vem de aquisições antigas que só agora vem sendo padronizadas dentro do grupo, principalmente no que tange à unificação no modelo de remuneração dos professores. Um plano de carreira também foi criado para o corpo docente, valorizando a avaliação das aulas feita pelos alunos, além da produção científica. O foco das mudanças está em aumentar a sua rentabilidade, hoje inferior a dos principais concorrentes. Sua margem de geração de caixa, por exemplo, é de 27,7%, enquanto a da Kroton está em 45,5%, e a da Ser Educacional está em 31%.

Editorial Nello Investimentos

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
NENHUM COMENTÁRIO

ESCREVA UM COMENTÁRIO